17/03 - Manifestações contra o governo acontecem em diversas cidades brasileiras.

Manifestações contra o governo acontecem em diversas cidades brasileiras.

compartilhe

vídeos relacionados

 

 

 

 

0:01

 

2:39

360p

720p

360p

 

Manifestações, panelaços e buzinaços contra a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a Casa Civil aconteceram, nesta quarta-feira (16), em ao menos 16 Estados e no Distrito Federal. Na maioria dos casos, as pessoas foram para as ruas depois do expediente de trabalho para manifestar indignação contra a decisão da presidente Dilma Rousseff (PT), sem que houvesse uma convocação prévia em dias anteriores via redes sociais (o que ocorreu nos protestos do último domingo, 13).

Os protestos começaram no início da noite e acontecem em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Distrito Federal, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Pernambuco, Goiás, Paraná, Pará, Bahia, Amazonas, Alagoas, Paraíba, Ceará e Mato Grosso do Sul.

Em Brasília, houve confronto entre manifestantes e policiais, que impediam a subida à cobertura do Congresso Nacional. Uma bomba foi escutada nas proximidades e há registros de feridos.

O Corpo de Bombeiros do DF informou que 15 pessoas foram atendidas até o momento na manifestação em frente ao edifício. Não houve registro de ocorrência com ferimento grave. Entre as ocorrências estava a de um rapaz com a mão cortada e inconsciente. 

De acordo com o major Lourival Corrêa, do Corpo de Bombeiros, o caso não era grave. Um policial também foi socorrido com ferimento na perna. Ele foi encaminhado ao Hospital Santa Helena, na Asa Norte.

Mais cedo, um pequeno grupo de petistas entrou em confronto com centenas de manifestantes que protestavam contra a nomeação em frente ao Palácio do Planalto. Houve correria e a polícia agiu com truculência entre os manifestantes, com uso de cassetetes e spray de pimenta. A Praça dos Três Poderes, uma da principais vias de acesso à região central de Brasília, foi tomada por manifestantes e o trânsito no local foi parcialmente bloqueado. O grupo gritava palavras de ordem e pedia a saída de Lula e do PT.

Manifestantes chegaram a gritar que iriam invadir o Planalto, o que não ocorreu. Um cordão de isolamento da polícia foi formado em frente de toda a extensão do Palácio. O grupo que está fazendo a manifestação é formado, em sua maioria, por funcionários que, na saída do trabalho, resolveram protestar.

MANIFESTANTES ENTRAM EM CONFRONTO COM A PM EM BRASÍLIA

compartilhe

vídeos relacionados

 

 

 

 

0:00

 

0:38

360p

720p

360p

 

O grupo migrou para a frente do Congresso Nacional aos gritos de "vem todo mundo", instigando os demais ativistas, além de palavras de ordem como "devolve meu dinheiro, Lula cachaceiro". O boneco do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, chamado de pixuleco, foi pendurado no mastro onde fica hasteada a bandeira nacional.

 

Manifestantes queimam pneus em frente ao Palácio do Planalto em protesto contra o governo

Policiais equipados com capacetes e escudos concentram-se na rampa por onde autoridades têm acesso ao Parlamento. Um cone de contenção da Polícia Militar foi arremessado no espelho d'água diante do Congresso.

Alguns deputados estão deixando a Casa pela garagem lateral do Senado ou pelos anexos do Congresso Nacional. Parlamentares como o líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ), demonstraram apreensão e pediram indicação para os policiais legislativos sobre a saída mais segura do Congresso.

O coordenador do MBL (Movimento Brasil Livre), Kim Kataguiri, disse que os manifestantes não deixarão a Praça dos Três Poderes até que a presidente Dilma renuncie. "Não vamos sair até que eles deixem o governo. Eles dizem que os protestos são da elite, mas eles são a elite", disse Kataguiri que está sobre um trio elétrico em frente ao Palácio do Planalto.

"VAMOS FAZER MANIFESTAÇÕES TODOS OS DIAS", DIZ KIM KATAGUIRI

compartilhe

vídeos relacionados

 

 

 

 

0:00

 

0:59

360p

1080p

720p

360p

 

Para esta quinta-feira, a PM e os Bombeiros devem preparar uma operação especial para a posse dos novos ministros, no entorno da Praça dos Três Poderes. A previsão é de que haja um contingente bem maior do que o de hoje, quando cerca de 200 policiais foram convocados. Os policiais dizem quem não esperavam um volume tão expressivo de pessoas se manifestando nesta quarta.

Em São Paulo, centenas de pessoas se reuniram na avenida Paulista, que foi bloqueada nos dois sentidos. O protesto continuou madrugada adentro, com pelo menos quatro quadras da avenida ocupadas 0h30 desta quinta-feira (17).

A avenida já havia palco dos protestos do último domingo (13), que reuniu cerca de 500.000 pessoas, segundo o Datafolha.

Por ter sido organizado de última hora, a Polícia Militar ainda não divulgou uma estimativa do número de pessoas presentes no ato de hoje. Os manifestantes exibiram cartazes com frases como "Lula na cadeia" e "a jararaca está fugindo". Além disso, entoavam gritos de baixo calão e faziam pedidos de renúncia de Dilma.

O protesto começou por volta das 18h, no vão livre do Masp, e se concentrou nas proximidades do prédio da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo). Muitos ficaram sabendo da manifestação quando saíam da aula ou do trabalho. Muitos usavam camisas da seleção brasileira e balançavam bandeiras do Brasil.

Prédio da Fiesp, na avenida Paulista, estampa os dizeres "Renúncia já"

A parte frontal do edifício da Fiesp passou a exibir na noite desta quarta a frase "Renúncia Já!".

Cerca de dez manifestantes também protestaram em frente ao Instituto Lula, no Ipiranga, na zona sul de São Paulo, onde se encontrava o ex-presidente Lula. Eles batiam palmas e gritavam ofensas ao ex-presidente, como "ladrão" e "vagabundo", além de "fora, PT".

Ao longo do dia, motoristas de carros e ônibus passaram em frente à sede do instituto gritando ofensas a Lula. O ex-presidente já deixou a sede do instituto, de carro, sem falar com a imprensa.

Na contramão dos protestos contra o governo, no Tuca, teatro da PUC-SP, centenas de pessoas participavam de ato em defesa da democracia com a presença de artistas, intelectuais, juristas, movimentos sociais e alunos. Há gritos de "não vai ter golpe" e reação de prédios vizinhos da região de Perdizes, em São Paulo, com panelas.

 

Fonte: UOL Notícias