31/12 - Servidores invadem casa de prefeito de Tutóia no interior do MA.

Funcionários do município de Tutóia (MA) destruíram, nesta terça-feira (30), a casa do prefeito Zilmar Mello e a empresa do filho dele. O motivo seria atraso nos salários. O prefeito de Tutóia, Zilmar Araújo Melo, negou que os salários dos servidores estejam atrasados e disse que vai denunciar os manifestantes ao Ministério Público.

Enquanto alguns quebravam as janelas com porretes, outros arrebentavam o forro do teto com pedras. Um homem usou uma cadeira para destruir a cozinha. Televisão e computadores foram jogados no chão. O sofá foi incendiado no meio da rua. Na confusão, dois rapazes decidiram brincar com o quadriciclo do prefeito, e outros três veículos foram destruídos. Sem se preocupar com a câmera, um grupo virou uma caminhonete.

Um policial tentou impedir que os manifestantes entrassem na empresa do filho do prefeito, mas não conseguiu. Vários televisores de plasma foram roubados ou destruídos.

A multidão só se acalmou depois que 15 policiais militares chegaram à cidade, durante a noite de terça-feira (30). Nesta quarta-feira (31), outros 20 PMs devem ser mandados para Tutóia, porque os manifestantes ameaçam invadir as casas de secretários e de assessores do prefeito.

 

Protestos no Maranhão

Nos últimos meses, vários municípios do Maranhão enfrentaram situações parecidas.

Em Benedito Leite (MA), no dia 5 de outubro, a população queimou o cartório eleitoral e várias urnas eletrônicas para protestar contra o cancelamento de mais de 700 títulos. Segundo a Justiça, até mortos votavam na cidade. O juiz eleitoral só conseguiu escapar porque foi resgatado pelo Exército.

Em Penalva (MA), dois dias depois da eleição, uma multidão cercou o fórum. A juíza e a promotora eleitoral fugiram da cidade num helicóptero da Polícia Militar.

Em Barreirinhas (MA), na semana passada, um juiz teve de dar posse ao prefeito que ele havia cassado. No dia da diplomação do segundo colocado, o juiz foi ameaçado de morte por dezenas de eleitores.