23/04 - Sobe para 30 mil o número de pessoas atingidas pelas chuvas no Estado do MA.

SÃO LUÍS - Subiu para 30 mil o número de desabrigados nas enchentes no Maranhão, onde chove há cerca de duas semanas.

A situação é crítica nas cidades banhadas pelo rio Mearim. O nível da água não para de subir e muitos moradores se recusam a abandonar as casas alagadas.

Bairros inteiros estão encobertos pela água. Desde sábado, 1.000 famílias estão vivendo em abrigos, mas muitas insistem em ficar. “A gente insiste assim porque vai baixar, vai baixar”, diz Maria dos Santos, lavradora. Mas o volume de água não diminui. Hoje está quase dez metros acima do nível normal.

O que mais impressiona é a situação em que a pessoa se sujeita a ficar depois que a casa é tomada pela água. A Defesa Civil já fez vários alertas. O nível do rio continua subindo e mesmo assim muita gente insiste em ficar. Eles preferem erguer os móveis e eletrodomésticos a ter de abandonar as casas.

O medo de seu Raimundo é que alguém entre na casa e leve os poucos móveis e eletrodomésticos. “Se chover muito a gente dá um jeito para sair, nem que seja pelo telhado”, diz Raimundo Nonato, lavrador.

No pequeno comércio os produtos foram parar nas prateleiras de cima, para não estragar. Quem se arrisca acaba doente. “Febre, gripe, dor de cabeça”, diz Honório Jacometto.

O risco de contaminação é grande. Equipes de saúde estão visitando abrigos e as casas dos ribeirinhos para diagnosticar as doenças. Nos alojamentos, a ajuda começou a chegar. Cestas básicas e colchões estão sendo trazidos da capital.

A Defesa Civil disse, hoje, que pode recorrer à polícia para remover quem insiste em continuar em áreas alagadas.

E o pior de tudo isso é que a previsão da meteorologia é de mais chuva no Maranhão. Os meteorologistas disseram que tem previsão de chuva em todo o período que eles conseguem prever, ou seja, até a semana que vem pelo menos.