27/09 - ''Refinaria é realidade sem volta'', garante ministro Edison Lobão.

BRASÍLIA – O início das obras da Refinaria Premium na cidade de Bacabeira, a 40 km de São Luís, deverá marcar, nas palavras do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, um novo momento no estado, principalmente porque ela é vista como essencial no desenvolvimento da exploração da camada pré-sal e do setor energético do Maranhão. Quinta-feira passada, em seu gabinete no Ministério de Minas e Energia em Brasília, ele concedeu entrevista exclusiva a O Estado e falou da transformação econômica pela qual o Maranhão deverá passar e voltou a rebater as especulações: “A Refinaria é um processo irreversível”.

O Estado – O senhor afirmou que as obras de terraplanagem da Refinaria em Bacabeira começarão em outubro. O empreendimento, de fato, é um processo irreversível?

Edison Lobão – Não há volta, nem prevista, nem admitida no que diz respeito à construção da refinaria no Maranhão. O Brasil tem interesse em aperfeiçoar seu sistema energético e, mais do que isso, exportar valor agregado. Nós não aceitamos mais importar diesel do exterior para atender a algumas necessidades que ainda não produzimos por aqui. Queremos exportar produtos acabados. Por isso temos um programa de construção de cinco novas refinarias, sendo a maior de todas a do Maranhão. A Premium do Maranhão tornou-se a “jóia da coroa” em matéria de refinarias no Brasil. Vamos processar 600 mil barris por dia no país, o que corresponde a um terço do petróleo hoje produzido no país para exportação. Nós, dentro de poucos anos, seremos exportadores de petróleo.

O Estado – O senhor arriscaria um prazo?

Lobão - Queremos é exportar daqui a quatro ou cinco anos não petróleo, mas produtos acabados. Isto significa que nós temos que, definitivamente, construir não só a refinaria do Maranhão, mas a de Pernambuco, do Ceará, do Rio Grande do Norte... E estamos até projetando a possibilidade de outras refinarias. A do Maranhão, de fato, já começou. Já tivemos a escolha do local, a desapropriação da área, o Eia/Rima (Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental) elaborado pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e as primeiras licitações em andamento para a construção da cerca em volta da refinaria. Agora também vamos encaminhar para licitação a realização da supressão vegetal para que se comece a terraplanagem ainda este ano. Portanto, as obras preliminares já começaram. As obras pesadas, ainda não. Mas as providências iniciais já estão todas tomadas. A refinaria é irreversível. Uma realidade e uma necessidade para o Brasil.

O Estado – Como a Refinaria de Bacabeira contribuirá para a exploração do pré-sal?

Lobão – A parte inicial da refinaria estará concluída daqui a cinco anos, produzindo diesel, gasolina, querosene, etc. Ela contribuirá para a nossa balança comercial com exportação desses produtos todos, em grande escala. A importância da refinaria de Bacabeira, portanto, é marcada, primeiro pelo fato de ser Premium, segundo pela intensidade da produção e terceiro pela modernidade de seus equipamentos.

O Estado – E no que se refere à geração de empregos?

Lobão – Durante alguns anos haverá uma contratação intensiva de mão-de-obra. Já estamos preocupados em qualificar os jovens maranhenses para trabalharem nas obras e na refinaria. Estamos abrindo pelo menos duas escolas, gratuitas, para os maranhenses se aperfeiçoarem e estarem em condições de trabalhar na refinaria. Essas escolas poderão ser abertas em Bacabeira, Rosário ou em São Luís. Concluídas as obras, haverá as atividades da refinaria, que será grande geradora de mão-de-obra, de empregos. Também haverá as atividades em volta da refinaria que surgirão ao longo do tempo.

O Estado – Além da refinaria, como o Maranhão poderá também tirar proveito do pré-sal?

Lobão – Primeiro, o petróleo do pré-sal abastecerá a refinaria. Segundo, os resultados financeiros do pré-sal serão revertidos para todos os brasileiros. De que modo? Recebendo recursos por via indireta, em educação, cultura, combate à pobreza e em todas essas possibilidades de elevação e de especialização dos brasileiros.