31/10 - 2ª etapa de campanha de vacinação contra a febre aftosa inicia nesta quinta-feira.

SÃO LUÍS - A partir desta quinta-feira (1º) inicia em todo o Estado do Maranhão a II Etapa da Campanha de Vacinação contra a Febre Aftosa 2012. Os criadores têm até o dia 30 de novembro pra vacinar o rebanho de cerca de 7,3 milhões de bovinos e bubalinos, independente da faixa etária. A campanha é realizada pelo governo estadual, por meio da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima) e seu órgão vinculado, a Agência de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged).

Além de vacinar, os criadores precisam ir até o escritório da Aged onde são cadastrados e comprovar a vacinação por meio da nota fiscal da compra de vacina. O prazo para comprovação é até o dia 15 de dezembro.

Caso o criador não vacine seu gado no prazo estipulado pela Aged, ele será multado em R$ 200,00 e mais R$ 5,00 por animal não imunizado. O criador que vacinar e não comprovar a vacinação também paga multa no valor de R$ 200,00.

O secretário da Sagrima, Cláudio Azevedo, ressalta a importância do criador continuar contribuindo com o governo estadual para que o Maranhão seja classificado como Zona Livre de Febre Aftosa. "O Mapa tinha previsto classificar nacionalmente o Maranhão e mais outros seis estados do Nordeste e a região Leste do Pará, em novembro deste ano, mas alterou o calendário e a previsão é de que isso aconteça apenas em 2013", lamentou Cláudio Azevedo.

O novo status sanitário seria dado também aos estados do Piauí, Alagoas, Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, além da região leste do Pará. O reconhecimento internacional, feito pela Organização Internacional de Episootias (OIE), que estava previsto inicialmente para o primeiro semestre de 2013, deve acontecer em 2014.

Cláudio Azevedo ressaltou que o Maranhão cumpriu rigorosamente todas as exigências do Mapa para alcançar a nova classificação. Dentre elas estão o recorde no índice de cobertura vacinal (97% de imunização do rebanho) e a melhor auditoria entre os oito estados avaliados pelo ministério. Além disso, os recursos investidos pela governadora Roseana Sarney, que também aprovou o Plano de Cargos, Carreiras e Salários dos servidores da Aged, também estão entre as metas cumpridas.

O Mapa justificou a decisão de adiar a nova classificação, acordada em fevereiro do ano passado em reunião com todos os gestores das federações envolvidas no pleito, devido a mudanças no calendário anual da OIE (Organização mundial de Saúde Animal). Essa mudança impediu que o órgão apresentasse os projetos de elevação de classificação sanitária em tempo hábil. Além disso, o Ministério visualizou na mudança de calendário internacional uma oportunidade para incluir no pleito de reconhecimento internacional os estados do Rio Grande do Norte e Paraíba, que apresentaram problemas com o prazo do exame sorológico de seus rebanhos. "O Ministério avaliou que seria mais fácil pleitear junto à OIE com todos os estados juntos, para que sejam classificados em bloco, não deixando de fora nenhum estado nordestino", explicou o secretário da Sagrima.

Estiagem

No Maranhão, o diretor geral da Aged, Fernando Lima, informou que nesta campanha será dada uma atenção especial aos 64 municípios atingidos pela estiagem, e que decretaram situação de emergência pela seca. "Iremos acompanhar de perto a vacinação nessas áreas atingidas, pois os criadores terão mais dificuldades de manejo dos animais. Caso a estiagem tenha causado algum empecilho para os criadores, comprometendo o sucesso da campanha, o Mapa lançou uma instrução normativa nos dando flexibilização no prazo, permitindo prorrogar a campanha nestas áreas por até 30 dias", informou ele, ressaltando que essa decisão só terá tomada pelo governo do estado na última semana da campanha.

De acordo com dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, ao todo são 578 municípios nordestinos em situação de emergência, principalmente no Ceará (97), Paraíba (88), Piauí (85), Rio Grande do Norte (85); Pernambuco (64) e Bahia (61).

Fernando Lima ressaltou que o governo do estado está adotando todas as providências para que sejam mantidos os ótimos resultados alcançados nas campanhas anteriores. O diretor geral da Aged informou, também, que serão doadas cerca de 20 mil doses de vacina para imunizar rebanhos em áreas quilombolas, indígenas e assentamentos. "Estas doses serão custeadas pelo governo estadual, Federação da Agricultura e Pecuária do Maranhão e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Faema/Senar), e o Instituto de Agronegócios do Maranhão", afirmou.