Domingo, 29 Novembro 2020
Portuguese English Spanish
booked.net
Sexta, 31 Julho 2020 10:28

Um breve diálogo Destaque

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

 

Hoje me deparei com uma pergunta, um tanto quanto prosaica, de uma amiga "faceboquiana" quanto à foto de meu perfil, isto é, se ela era minha. Não, respondi a ela, a foto em questão é do filósofo alemão Theodor Adorno (1903-69), cuja ascendência judia e o fato de ser um intelectual  crítico, de esquerda e engajado nas lutas pela liberdade e pela emancipação dos indivíduos, certamente constituíram-se nas razões de ele ser implacavelmente perseguido pelo terror representado pelo regime nazista de Adolf Hitler. Aproveito então este espaço, que me foi gentilmente concedido, para traçar algumas linhas a respeito de algumas das obras desse extraordinário pensador, que se tornaram um marco na análise do autoritarismo e que ainda é fundamental para entendermos não somente os tempos sombrios em que ele viveu, de triste memória para a humanidade, como também os de agora, nomeadamente no Brasil e nos EUA, este governado pelo patético e nada amoroso com o mundo, o senhor Donald Trump, no entanto, mas sem nenhuma surpresa, guru do atual presidente de nosso país. E que por este motivo, confirmando a triste previsão do sociólogo polaco Zygmunt Bauman de que o "nazismo estava derrotado, mas a sua herança assassina longe de ser morta", a obra de Adorno continua reverberando em nossos dias com inquietante atualidade.

Três obras que eu gostaria de mencionar do filósofo, no campo da filosofia política, para uma recomendação de leitura: A Personalidade Autoritária, obra na qual a apropriação da psicanálise para nos fazer entender a consciência de uma pessoa que se projeta na figura de um falso líder para dar sustentação a regimes fascistas, é evidente;  Dialética do Esclarecimento, que nos faz refletir sobre a que ponto chega  o excesso de conhecimento despojado do pensamento crítico que, instrumentalizado, torna-se irracional e se volta para a prática de barbáries (não esqueçamos de que o nazismo "atraiu intelectuais como se fossem moscas", como afirmou o escritor francês Christian Ingrao); e, por fim, Educação e Emancipação, uma obra extraordinária dele sobre o modelo de Educação que ele postula: uma educação política, autônoma, crítica e humanamente emancipatória, como o único anteparo para que as barbáries de indizível horror, como o Holocausto, não voltem a ocorrer. Todo cuidado é pouco. E o alastramento da extrema-direita pelo mundo como um fungo, como previu a sua contemporânea Hannah Arendt (1906-75), com suas práticas políticas que desumanizam o humano tornando-o uma mera coisa para o descarte, deveria, por si só, alargar as nossas consciências para absorvermos com muito gosto a sabedoria do pensamento de Adorno contido nessas três obras. Porque são reflexões, que nos dizem categoricamente que uma democracia plena, onde se permite o dissenso,  a pluralidade de ideias e a liberdade, não somente é o melhor dos regimes políticos, como também o único antídoto contra a nefasta forma totalitária de governar as pessoas, que é o fascismo. Nunca esqueçamos do que falou o poeta e dramaturgo Bertolt Brecht (1898-1956), para o bem das atuais e futuras gerações: "a cadela do fascismo está sempre no cio". Portanto, cuidemos do futuro de nossas crianças.  E a Educação crítica, autônoma e a única que torna as pessoas emancipadas ainda é a ferramenta mais poderosa nesse sentido. O pequeno e comovente texto, abaixo, intitulado Carta aos Professores, sintetiza bem tudo o que escrevi nas linhas anteriores. A carta, de autoria desconhecida, foi deixada num buraco de parede do campo de concentração e extermínio nazista de Auschwitz, na Polônia, e lá encontrada muitos anos depois.

“Sou sobrevivente de um campo de concentração. Meus olhos viram o que nenhum homem poderia ver: câmaras de gás construídas por engenheiros formados, crianças envenenadas por médicos diplomados, recém-nascidos mortos por enfermeiras treinadas, mulheres e bebês fuzilados e queimados por graduados de colégios e universidades. Assim, tenho minhas suspeitas sobre a educação. Meu pedido é: ajudem seus alunos a tornarem-se humanos. Seus esforços nunca deverão produzir monstros treinados ou psicopatas hábeis. Ler, escrever e aritmética só são importantes para fazer nossas crianças mais humanas.”

Por Raimundo Silva

  

Compartilhar nas redes sociais:
Lido 520 vezes
Raimundo Silva

Raimundo Silva, advogado aposentado. Estudou Filosofia na UFF (Universidade Federal Fluminense) atualmente mestrando em Filosofia Política pela Universidade do Minho, de Portugal.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Telefone

99 3621-6216 99 99107-5401 99 98117-0791

E-mail

contato@cuxa.com.br