A violência de Bolsonaro vai muito além do destempero verbal, diz Rodrigo de Almeida

Muita gente de boa vontade ainda se questiona se o destempero verbal do presidente Jair Bolsonaro não passa disso: destempero, uma mera retórica que, a despeito de sua agressividade e violência simbólica, não teria maiores consequências práticas sobre seu governo e o Brasil. Que tal erro tenha sido cometido na campanha presidencial até se entende, vá lá – boa parte dos eleitores estava cansada de dois polos históricos e buscava algo diferente, qualquer que fosse o “algo”, mesmo que sandices bolsonaristas (passadas e presentes) viessem a público naquele momento. Mas insistir no erro, frente a todas as ameaças reais e imediatas, parece não apenas incompreensível, como extremamente perigoso para o país. Não, a incontinência verbal de Bolsonaro não é apenas destempero e retórica. E não só porque dignidade, honra e decoro são considerados requisitos para um presidente da República, e proceder de modo incompatível com isso o torna passível de crime de responsabilidade. A retórica violenta, desrespeitosa, anti-institucional e destruidora de Bolsonaro é ameaça real também porque alimenta, incentiva e legitima ações concretas. E o faz de dois modos: um é simbólico; o outro, prático. O efeito simbólico é o elementar: um presidente da República, mesmo limitado, não deixa de ser, pela força do cargo, um farol que ilumina e aponta caminhos, rumos, tendências, faz o país se movimentar, induz mudanças, promove recuos, acelera avanços. Quando pesa a mão (ou a fala) contra minorias, contra a imprensa, contra movimentos cívicos, contra direitos, contra instituições e contra premissas básicas de liberdade e democracia, o presidente estimula uma cultura que se opõe a tudo isso – daí a força de destruição que pode ser avassaladora. Como disse o insuspeito Miguel Reale Jr., o governo Bolsonaro vem atacando todas as classes que representam uma capacidade crítica. É o que se chama ‘fascismo cultural’ – aquele que corta pela rama toda a capacidade de pensamento, de crítica, de divergência. “O lema é este”, lembrou o jurista. “É proibido pensar, mas é permitido obedecer”. A consequência prática de qualquer retórica presidencial – inspiradora e motivacional, ou irresponsável e destruidora, ou ainda debochada e desrespeitosa – é criar incentivos a ações institucionais concretas de desmonte daquilo que a fala ataca. Não à toa veem-se ações concretas contra direitos em questões de raça, diversidade, gênero, educação, ciência, meio ambiente, armas… Ou, como disse o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, uma fala presidencial que despreza os limites do bom senso é um prejuízo para ele e para o Brasil: “O que diz repercute e afeta nossa credibilidade”. Não basta a Bolsonaro ficar em silêncio nas primeiras horas após o maior massacre de presos depois de Carandiru. Ele precisa (re)surgir destilando ódio e vingança. Não lhe basta questionar práticas e ideias de movimentos cívicos, sejam eles identitários ou não. Ele precisa disparar ofensas contra minorias e causas – quaisquer minorias, quaisquer causas. Não basta a Bolsonaro antagonizar adversários, como fizeram todos antes dele, ou defender bandeiras, incluindo as suas clássicas, instaladas nos porões. Ele precisa ofender, menosprezar e desrespeitar a dor alheia, negando ou ignorando a história de torturas e torturados. Não lhe basta ter urticária diante da imprensa, porque despreza seu papel. Ele precisa agredir verbalmente repórteres, especialmente se mulheres. Não basta a Bolsonaro reagir a informações vazadas que desabonam seu ministro-juiz. É preciso ofender a vida pessoal de jornalistas que as publicam. AFRONTA VAI ALÉM DA RETÓRICA Nem doença mental justificaria o ataque ameaçador ao que Bolsonaro representa hoje às instituições e à democracia brasileira. Como ouço de gente sábia e combativa, todos os limites retóricos já foram ultrapassados. É hora de cobrar do Congresso, do Supremo Tribunal Federal, de partidos políticos, de forças democráticas de toda ordem a cumprir seu papel – e não se trata de cobrar apenas declarações, todas igualmente retóricas. No Congresso, um Rodrigo Maia sensato ao seu tempo pode conduzir respostas esperançosas e adequadas. No STF, só alguns ministros podem compensar a inércia emparedada de seu presidente. Nos partidos políticos, nos sindicatos, nos movimentos sociais, o que há é dispersão, atonia, abatimento e baixa capacidade mobilizadora. Uma declaração recente do líder da oposição, o deputado Alessandro Molon (Rede-RJ), espelha bem o momento de dificuldades. Disse ele ao jornal Folha de S.Paulo: “Um governo caótico apresenta dois desafios a mais para a oposição: primeiro, que a cada momento se fala de uma coisa diferente e você não consegue ter método. Você está discutindo Previdência e tem que discutir filho embaixador. Você está tratando de propostas para gerar emprego e renda e o presidente propõe mudar o número de pinos da tomada. A cada hora é tiro para um lado e isso gera uma sensação de caos até no Congresso, que fica baratinado, correndo de um lado pro outro, tentando evitar o pior.” O que Molon admite integra o dia a dia de quem pensa o governo Bolsonaro criticamente – dos meros inquietos àqueles que passam a ver a mordaça como única saída para escapar do destempero verbal do presidente, como sugeriu o ministro Marco Aurélio Mello, do STF. CONTRA O COLAPSO E A FORÇA BRUTA Nisto, escolho a análise de alguns meses atrás do cientista político Marcos Nobre, hoje à frente do Cebrap: este não é um presidente normal e, portanto, não pode ser tratado como um presidente normal. Se é hora de reação, porque todos os limites já foram ultrapassados, também é hora de rever estratégias – os métodos tradicionais de combate já não funcionam mais. Vale ainda a tese de Nobre: Bolsonaro elegeu-se no caos e no colapso e precisa deles para se manter no poder. Na campanha, muita gente acreditou que as instituições o controlariam. Um grande equívoco. As instituições estão funcionando de maneira disfuncional desde 2016 e não exibem condições de controlar ou limitar presidente algum, muito menos alguém como Bolsonaro. Se a estratégia ainda é incerta, uma coisa é certa: é hora de unir todas as forças democráticas disponíveis – da direita liberal à extrema esquerda. Esqueçamos quem votou em quem, quem precisou rever seus conceitos e premissas, quem se arrependeu e quem tem vontade de dizer “eu avisei”. Esqueçamos isso. O que importa no momento e nos próximos meses é criar mecanismos dissuasórios de qualquer medida autoritária. Nessa mesa capaz de repudiar coletivamente o caráter autoritário de qualquer gesto e prática do governo devem passar todas as forças de oposição – aqueles históricos ou os de ocasião. Elas também não podem agir apenas de maneira reativa. Nada simples, sobretudo diante do desafio de lutar contra quem só acredita na força bruta. [caption id="attachment_6849" align="aligncenter" width="633"] Presidente Jair Bolsonaro durante cerimonia de entrega de credencais, no Palácio do Planalto. Brasilia, 04-06-2019. Foto: Sérgio Lima/PODER 360[/caption] FONTE: https://www.poder360.com.br/opiniao/governo/a-violencia-de-bolsonaro-vai-muito-alem-do-destempero-verbal-diz-rodrigo-de-almeida/       Muita gente de boa vontade ainda se questiona se o destempero verbal do presidente Jair Bolsonaro não passa disso: destempero, uma mera retórica que, a despeito de sua agressividade e violência simbólica, não teria maiores consequências práticas sobre seu governo e o Brasil. Que tal erro tenha sido cometido na campanha presidencial até se entende, vá lá – boa parte dos eleitores estava cansada de dois polos históricos e buscava algo diferente, qualquer que fosse o “algo”, mesmo que sandices bolsonaristas (passadas e presentes) viessem a público naquele momento. Mas insistir no erro, frente a todas as ameaças reais e imediatas, parece não apenas incompreensível, como extremamente perigoso para o país. Não, a incontinência verbal de Bolsonaro não é apenas destempero e retórica. E não só porque dignidade, honra e decoro são considerados requisitos para um presidente da República, e proceder de modo incompatível com isso o torna passível de crime de responsabilidade. A retórica violenta, desrespeitosa, anti-institucional e destruidora de Bolsonaro é ameaça real também porque alimenta, incentiva e legitima ações concretas. E o faz de dois modos: um é simbólico; o outro, prático. O efeito simbólico é o elementar: um presidente da República, mesmo limitado, não deixa de ser, pela força do cargo, um farol que ilumina e aponta caminhos, rumos, tendências, faz o país se movimentar, induz mudanças, promove recuos, acelera avanços. Quando pesa a mão (ou a fala) contra minorias, contra a imprensa, contra movimentos cívicos, contra direitos, contra instituições e contra premissas básicas de liberdade e democracia, o presidente estimula uma cultura que se opõe a tudo isso – daí a força de destruição que pode ser avassaladora. Como disse o insuspeito Miguel Reale Jr., o governo Bolsonaro vem atacando todas as classes que representam uma capacidade crítica. É o que se chama ‘fascismo cultural’ – aquele que corta pela rama toda a capacidade de pensamento, de crítica, de divergência. “O lema é este”, lembrou o jurista. “É proibido pensar, mas é permitido obedecer”. A consequência prática de qualquer retórica presidencial – inspiradora e motivacional, ou irresponsável e destruidora, ou ainda debochada e desrespeitosa – é criar incentivos a ações institucionais concretas de desmonte daquilo que a fala ataca. Não à toa veem-se ações concretas contra direitos em questões de raça, diversidade, gênero, educação, ciência, meio ambiente, armas… Ou, como disse o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, uma fala presidencial que despreza os limites do bom senso é um prejuízo para ele e para o Brasil: “O que diz repercute e afeta nossa credibilidade”. Não basta a Bolsonaro ficar em silêncio nas primeiras horas após o maior massacre de presos depois de Carandiru. Ele precisa (re)surgir destilando ódio e vingança. Não lhe basta questionar práticas e ideias de movimentos cívicos, sejam eles identitários ou não. Ele precisa disparar ofensas contra minorias e causas – quaisquer minorias, quaisquer causas. Não basta a Bolsonaro antagonizar adversários, como fizeram todos antes dele, ou defender bandeiras, incluindo as suas clássicas, instaladas nos porões. Ele precisa ofender, menosprezar e desrespeitar a dor alheia, negando ou ignorando a história de torturas e torturados. Não lhe basta ter urticária diante da imprensa, porque despreza seu papel. Ele precisa agredir verbalmente repórteres, especialmente se mulheres. Não basta a Bolsonaro reagir a informações vazadas que desabonam seu ministro-juiz. É preciso ofender a vida pessoal de jornalistas que as publicam. AFRONTA VAI ALÉM DA RETÓRICA Nem doença mental justificaria o ataque ameaçador ao que Bolsonaro representa hoje às instituições e à democracia brasileira. Como ouço de gente sábia e combativa, todos os limites retóricos já foram ultrapassados. É hora de cobrar do Congresso, do Supremo Tribunal Federal, de partidos políticos, de forças democráticas de toda ordem a cumprir seu papel – e não se trata de cobrar apenas declarações, todas igualmente retóricas. No Congresso, um Rodrigo Maia sensato ao seu tempo pode conduzir respostas esperançosas e adequadas. No STF, só alguns ministros podem compensar a inércia emparedada de seu presidente. Nos partidos políticos, nos sindicatos, nos movimentos sociais, o que há é dispersão, atonia, abatimento e baixa capacidade mobilizadora. Uma declaração recente do líder da oposição, o deputado Alessandro Molon (Rede-RJ), espelha bem o momento de dificuldades. Disse ele ao jornal Folha de S.Paulo: “Um governo caótico apresenta dois desafios a mais para a oposição: primeiro, que a cada momento se fala de uma coisa diferente e você não consegue ter método. Você está discutindo Previdência e tem que discutir filho embaixador. Você está tratando de propostas para gerar emprego e renda e o presidente propõe mudar o número de pinos da tomada. A cada hora é tiro para um lado e isso gera uma sensação de caos até no Congresso, que fica baratinado, correndo de um lado pro outro, tentando evitar o pior.” O que Molon admite integra o dia a dia de quem pensa o governo Bolsonaro criticamente – dos meros inquietos àqueles que passam a ver a mordaça como única saída para escapar do destempero verbal do presidente, como sugeriu o ministro Marco Aurélio Mello, do STF. CONTRA O COLAPSO E A FORÇA BRUTA Nisto, escolho a análise de alguns meses atrás do cientista político Marcos Nobre, hoje à frente do Cebrap: este não é um presidente normal e, portanto, não pode ser tratado como um presidente normal. Se é hora de reação, porque todos os limites já foram ultrapassados, também é hora de rever estratégias – os métodos tradicionais de combate já não funcionam mais. Vale ainda a tese de Nobre: Bolsonaro elegeu-se no caos e no colapso e precisa deles para se manter no poder. Na campanha, muita gente acreditou que as instituições o controlariam. Um grande equívoco. As instituições estão funcionando de maneira disfuncional desde 2016 e não exibem condições de controlar ou limitar presidente algum, muito menos alguém como Bolsonaro. Se a estratégia ainda é incerta, uma coisa é certa: é hora de unir todas as forças democráticas disponíveis – da direita liberal à extrema esquerda. Esqueçamos quem votou em quem, quem precisou rever seus conceitos e premissas, quem se arrependeu e quem tem vontade de dizer “eu avisei”. Esqueçamos isso. O que importa no momento e nos próximos meses é criar mecanismos dissuasórios de qualquer medida autoritária. Nessa mesa capaz de repudiar coletivamente o caráter autoritário de qualquer gesto e prática do governo devem passar todas as forças de oposição – aqueles históricos ou os de ocasião. Elas também não podem agir apenas de maneira reativa. Nada simples, sobretudo diante do desafio de lutar contra quem só acredita na força bruta. [caption id="attachment_6849" align="aligncenter" width="633"] Presidente Jair Bolsonaro durante cerimonia de entrega de credencais, no Palácio do Planalto. Brasilia, 04-06-2019. Foto: Sérgio Lima/PODER 360[/caption] FONTE: https://www.poder360.com.br/opiniao/governo/a-violencia-de-bolsonaro-vai-muito-alem-do-destempero-verbal-diz-rodrigo-de-almeida/