Maranhão bate novo recorde histórico de desempregados no 2º trimestre de 2021

Maranhão bate novo recorde histórico de desempregados no 2º trimestre de 2021

Taxa de desocupação atingiu 17,2% da população em idade de trabalhar. Além disso, dos que estão empregados, 60,5%% estão na informalidade, segundo o IBGE.

O Maranhão apresentou desemprego recorde no 2º trimestre de 2021. Ao todo, o número de desocupados atingiu 17,2% da população em idade de trabalhar. Em comparação do trimestre anterior, que já tinha a maior taxa registrada até então, o aumento foi de 0,2%. No Brasil, a taxa de desemprego é de 14,1%. Os dados são da Pnad Contínua, do IBGE.

A taxa de desocupação de 17,2% foi a maior desde o início da série do IBGE, contando a partir do 1º trimestre de 2012. Em números absolutos, são 457 mil pessoas desempregadas em todo o estado, o que corresponde a um aumento de 20,4% em relação ao mesmo período do ano passado.

A taxa de desocupação mede a proporção de pessoas de 14 anos ou mais de idade que estão desocupadas (não trabalharam, procuraram trabalho e estavam disponíveis para assumir), em relação ao total de pessoas que estão na força de trabalho, seja trabalhando (pessoas ocupadas) ou procurando (desocupadas).

A PNAD Contínua é a pesquisa que mostra quantos desempregados há no Brasil. Nela, o que é conhecido popularmente como “desemprego” aparece no conceito de “desocupação”. 

Na lista do IBGE para este segundo trimestre de 2021, o Maranhão ficou atrás apenas de estados como Pernambuco (21,6%), Bahia (19,7%), Sergipe (19,1%), Alagoas (18,8%) e Rio de Janeiro (18%). Em 14 estados brasileiros o nível de ocupação ficou abaixo de 50%.

A nível de comparação, as menores taxas de desocupação foram as de Santa Catarina (5,8%), Rio Grande do Sul (8,8%), Mato Grosso (9,0%), Paraná (9,1%) e Mato Grosso do Sul (9,9%) que ficaram abaixo de 10,0%.

Taxa de informalidade

 

A Pnad Contínua também destacou o contingente de trabalhadores por conta própria. O Maranhão é o estado com a maior taxa de informalidade entre todos os estados do país no 2º trimestre, na comparação com o 1º trimestre de 2021.

Segundo o levantamento, o Maranhão possui uma taxa de informalidade de 60,5%, junto com o estado do Pará, que também registrou 60,5%. O índice de informalidade para o Brasil foi de 40,6% da população ocupada. As menores taxas, de Santa Catarina (26,9%) e Distrito Federal (30,7%).

A taxa de informalidade é a proporção de trabalhadores informais ocupados em relação ao total de trabalhadores ocupados.

 

FONTE: https://g1.globo.com/ma/maranhao/noticia/2021/09/02/maranhao-bate-novo-recorde-historico-de-desempregados-no-2o-trimestre-de-2021.ghtml