Secretário suspeita que PMs forjaram confronto em São Luís Gonzaga

Secretário de Segurança Jefferson Portela

O Secretário de Segurança do Estado do Maranhão, Jefferson Portela, que agora está acompanhando de perto o rumo das investigações sobre a morte do empresário bacabalense Marcos Marcondes, em sua primeira entrevista à imprensa local já demonstrou suspeita de que o suposto confronto entre policiais militares e bandidos no interior de São Luís Gonzaga tenha sido forjado.

Marcos, mais conhecido como Marquinhos, apareceu morto numa estrada vicinal de São Luís Gonzaga. Uma das primeiras versões sustentou de que ele havia sido baleado durante um confronto entre policiais militares e bandidos, que supostamente estariam envolvidos no roubo de cabras em Bacabal. 

O secretário Jefferson enviou peritos para a região, a fim de investigar se realmente há indícios de confronto entre bandidos e criminosos. Porém, ele não escondeu a possibilidade de que o cenário tenha sido armado com o objetivo de tirar a suspeita de que os policiais teriam matado o comerciante. 

Vítima do homicídio: Marcos Marcondes

Com base na forte desconfiança de que houve alterações no local do crime, foi destacado também que um ferimento de bala que atingiu a panturrilha do Tenente Pinho na suposta troca de tiros tenha sido feito por ele mesmo ou por algum colega, a fim de comprovar de que houve um confronto. 

A investigação também não descarta a possibilidade de que houve uma mudança posterior na localização do corpo de Marcos, que pode ter sido deixado na estrada vicinal apenas horas depois de sua morte, e que as perfurações de bala podem ter sido causadas depois dele ter falecido por tortura, uma vez que há vários sinais de violência física em seu corpo. 

Caso seja comprovado de que houve alterações no local do crime, os policiais militares podem responder não só pela morte de Marquinhos, caso seja comprovado de que eles são os responsáveis pelo homicídio, mas também pelo crime de fraude processual.

 

 

FONTE: https://www.carlinhosfilho.com.br/2021/02/secretario-suspeita-que-pms-forjaram.html